Fala


Falo


de agrestes


pássaros de sóis


que não se apagam


de inamovíveis


pedras


de sangue


vivo de estrelas


que não cessam.


Falo do que impede


o sono.





Orides Fontela

4 comentários:

  1. voltarei mais vezes a este recanto

    ResponderExcluir
  2. "Vivo de estrelas/que não cessam".

    Poema luminoso!

    ResponderExcluir
  3. bonito poema............

    bom fim de semana.

    ResponderExcluir