CANTAI AINDA

Cantai ainda, sob as árvores
à beira rio, entre noite e dia.

Que as chuvas vos acordem
num dilúvio
de gestos feitos de alegria.

A fresca madrugada
se abra à luz
sonora e alada.

E que seja brando o vento
dos dias caindo devagar
sobre o teu rosto

de olhar, por fim, a terra amada
à luz do sol resplandecente
na pura harmonia do poema.


in Vieira Calado
em Poemas Soltos & Dispersos, ed.litoral

Um comentário:

  1. Obrigado.
    Fica bem bonito assim, com essa cor.
    Um abraço.

    ResponderExcluir